Header Ads

Presos pela PF por fraude previdenciária fazem exames no IML de Teixeira: Veja os nomes

Teixeira de Freitas: Nesta quarta-feira, 13 de setembro, a Polícia Federal deflagrou a Operação Álibi, em parceria com a Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária do Ministério da Fazenda. O objetivo da Operação foi desarticular uma quadrilha que vinha fraudando a Previdência Social, e, segundo as investigações, os criminosos já teriam desviado mais de R$ 2 milhões de reais. Foram cumpridos 08 mandados de prisão e 05 de busca e apreensão. Dos 08 mandados, 02 eram de prisão preventiva e 06 de prisão temporária.

As prisões aconteceram em Teixeira de Freitas, Nova Viçosa, Porto Seguro, Betim/MG e no Rio de Janeiro. Durante as investigações, foi descoberto que quadrilha “recriava” pessoas que haviam falecido na infância. Em nome dos adultos fictícios, seriam realizados alguns recolhimentos à Previdência Social, sempre em valores próximos ao teto de contribuição, criando, assim, a condição de segurados. Posteriormente, seriam simulados os falecimentos dessas “pessoas”, quando, então, seriam requeridos os respectivos benefícios de pensão por morte perante o INSS.

Com a desarticulação do grupo criminoso e a suspensão dos benefícios por ele fraudados, evitou-se um prejuízo futuro aos cofres públicos de aproximadamente R$ 15,6 milhões. Os mandados judiciais de prisão foram cumpridos em sua totalidade, com três presos em Teixeira de Freitas, dois presos em Nova Viçosa e um preso em cada uma das cidades de Rio de Janeiro, Porto Seguro e Betim.
Na tarde desta quarta-feira, nossa equipe acompanhou as equipes da PF apresentando os presos no Departamento de Polícia Técnica de Teixeira de Freitas, onde foram realizados os exames de corpo de delito. 05 dos presos estavam presentes, e são eles Cristóvão João, 59 anos de idade; Benedito Maria dos Santos, 42 anos; Lucimar Cabral da Silva, 40 anos; Azuil Maria dos Santos, 48 anos e Juliana Maria dos Santos, 40 anos. Um dos citados é advogado, e segundo informações, ele figura entre os líderes da quadrilha.
Os presos irão responder por formação de quadrilha e estelionato, crimes que ultrapassam 10 anos de prisão. Após os exames, os acusados foram conduzidos para o Conjunto Penal de Teixeira de Freitas, onde continuarão presos à disposição da Justiça. (Por: Rafael Vedra)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.