Header Ads

Militares vão a júri popular nesta quinta-feira (06) pela morte de Gilberto Arueira em Teixeira de Freitas

A juíza Adriana Tavares Lira, titular da Vara do Júri e Execuções Penais da comarca de Teixeira de Freitas, presidirá a partir das 09h desta próxima quinta-feira, dia 6 de junho, o Júri Popular que levará ao banco dos réus, os policiais militares acusados pela morte do empresário da vizinha cidade de Medeiros Neto, Gilberto Arueira de Azevedo, após terem cometido o crime sob a influência de violenta emoção confundindo o empresário com um assaltante que havia minutos antes agredido e feito um dos PMs refém durante um roubo contra uma loja de celulares. Na acusação representando o Ministério Público, o promotor de justiça Gilberto Ribeiro de Campos contará com a assistência do advogado criminal Gean Paulo Oliveira Prates e na defesa dos réus atuará o advogado criminal soteropolitano Bruno Teixeira Bahia.

Entenda o Caso

Um crime, a modificação da cena, primeiro cenário, segundo cenário e as fotografias do repórter que desvendaram os fatos e mostraram o verdadeiro cenário. A hora e a data: Às 13h de sexta-feira do dia 24 de setembro de 2010. O local: No interior da loja “Celular & Cia”, na Avenida Presidente Getúlio Vargas nº 3.517. A cidade: Teixeira de Freitas, sediada no extremo sul da Bahia. A vítima: o empresário do ramo de postos de lavagem da cidade vizinha de Medeiros Neto. Os autores: três militares à paisana.

O empresário Gilberto Arueira de Azevedo, 40 anos, foi atingido com 6 tiros pelas costas, quando estava deitado no piso, sendo que dois projéteis transfixaram e os outros quatro foram extraídos do cadáver. Os seus matadores teriam sido três policiais militares à paisana e pertencentes à CAEMA – Companhia de Ações Especiais da Mata Atlântica.

O laudo de perícia criminalística e o laudo de medicina legal concluíram que o empresário foi morto por execução sumária, com três tiros de Pistola Ponto-40 no alto das costas, dois tiros no antebraço direito e um sexto tiro na região da axila direita. Um dos tiros disparados em Gilberto, o projétil teria exalado em direção à mão do mecânico Joab Medina de Lima, de 23 anos, que também se encontrava rendido pelos policiais, deitado ao chão, ao lado da vítima.

Vítima confundida com Assaltante

O empresário teria sido confundido com o assaltante e homicida Raimundo de Abreu Alves, o “Thor”, 29 anos de idade na época. “Thor” foi preso pela Polícia Civil, no dia 20 de outubro de 2010, por ocasião que o seu parceiro, Rosivaldo Prates, o “Russo” ou “Galego”, 24 anos, morreu ao trocar tiros com policiais civis, um dia após terem assaltado a Casa Lotérica do Mercado Caravelas em Teixeira de Freitas e ambos cometido um homicídio na cidade.

Além de vários crimes de morte que a ele são imputados, “Thor”, cuja aparência física e características eram idênticas com às da vítima, morenos claros, cabelos cortados baixinhos e estaturas medianas. E a dupla coincidência fatal, tanto o assaltante quanto a vítima no dia do crime, usavam bermudas e jaqueta jeans e ambos carregavam um capacete no braço esquerdo, a única diferença era a cor da camisa que vestiam por baixo das jaquetas.

Na ocasião “Thor”, admitiu a autoria no assalto da loja Celular Mania, na Praça dos Leões em Teixeira de Freitas, cujo objetivo era somente assaltar lojas de venda de celulares. Por ocasião que confessou à Polícia Civil e à Imprensa que realmente humilhou um cliente da loja, lhe agredindo com tapas no rosto e ainda lhe colocou ajoelhado preso num banheiro, cujo cliente, era um policial de elite com treinamento de guerrilha da CAEMA – Companhia de Ações Especiais da Mata Atlântica.

No dia do assalto cometido por “Thor”, quem pagou pelas suas sucessões de crimes, foi o empresário de Medeiros Neto, Gilberto Arueira de Azevedo, que acabou morto com 6 tiros pelas costas por três policiais à paisana. Estes policiais estavam sob forte emoção, em razão de um deles, ter sido agredido, humilhado e preso ao um banheiro por quase meia hora dominado por um bandido violento, destemido e furioso. E após a comunicação do companheiro vitimado, os outros dois colegas prezaram pelo cooperativismo e saíram às ruas na companhia do colega atacado, caçando o assaltante truculento.

O festival de coincidências


E daí veio a terceira coincidência mortal. Na caça, os três militares encontraram o empresário com as mesmas características, moreno, estatura mediana, cabelo cortado baixo, vestido numa bermuda e uma jaqueta jeans lavada, igual ao assaltante, com um capacete no braço e também no interior de uma outra loja de venda de celulares. E possivelmente, o policial agredido tomado pela forte emoção, não teve dúvida e induziu os outros dois colegas também ao erro e executaram o empresário como se fosse o assaltante. Na segunda foto o portal de notícias Teixeira Hoje mostra novamente a comparação entre a característica da vítima e do assaltante, mostrando a aparência idêntica de ambos.

Por ocasião da morte de Gilberto Arueira, uma arma foi encontrada ao seu lado, que depois foi esclarecido que a arma fez parte de uma simulação como se o revólver fosse dele e que tivesse reagido à ação dos agentes. A simulação ocorreu logo após os policiais que chegaram depois ao local, percebem que os companheiros tinham matado a pessoa errada.

O revólver preto, cabo branco, calibre 32, marca Taurus, com 6 cartuchos no tambor, 5 intactos e um deflagrado, foi também examinado pela Polícia Técnica e os exames constataram que a arma não possuía resquícios de pólvora de disparo recente. E os exames de pólvora combusta nas mãos da vítima, também deram negativo, provando que Gilberto Arueira não teria feito uso de arma de fogo no mínimo nas últimas 72 horas, antes da sua morte. (Assista por ocasião a confissão do assaltante assumindo a autoria da agressão ao PM).

As fotografias do repórter que esclareceram o crime

Após a execução, os militares deixaram o local e tomaram rumo desconhecido. O primeiro repórter a chegar ao local do evento delitivo foi um conhecido radialista da cidade de nome Josadack Mendes Silva, o popular “Jotta Mendes” que na ocasião também era repórter do bissemanal Jornal Alerta, o mais tradicional veículo de comunicação impresso da cidade. Tão logo chegou ao local, o repórter disparou a máquina em direção ao prédio da loja em vários ângulos, inclusive de perto e de longe, onde se enxergou com exatidão o corpo estendido sangrando na beira do balcão.

Logo depois chegaram dois grupos de policiais a paisanas e fardados que entraram na cena do crime e abaixaram a porta da loja. E o repórter continuou fotografando. Logo depois estes militares saem da cena do crime e mantiveram a porta de ferro suspensa como antes. E o repórter Jotta Mendes continuou fotografando, só que após a saída dos militares, o cadáver já não estava mais debruço e apareceu de barriga para cima sobre seu próprio sangue e ao seu lado, bem do lado da porta de saída, apareceu um revólver preto do cabo branco. Contudo, o repórter se manteve em sigilo absoluto em relação a alteração da cena.

Na época a sociedade não acreditou na versão que o empresário estivesse envolvido em crime diante do seu histórico de conduta ilibada e que teria ido naquele momento à loja, consertar o celular da esposa, especialmente depois que os peritos informaram à imprensa que os tiros foram pelas costas com transfixação no tórax e dois perfuraram o piso, além da versão das testemunhas, tanto da segunda vítima que saiu ferida, quanto na versão do dono e da funcionária da loja, sendo que o corpo foi encontrado em decúbito dorsal (de barriga para cima).

A nova versão revelada no Jornal

Na edição do Alerta do dia seguinte, em 25 de setembro de 2010, o Jornal trouxe uma extensa matéria sobre o caso e ouviu inúmeras autoridades e pessoas que por demais enalteceram a vida da vítima, literalmente eliminando a versão da polícia que havia trocado tiros com um bandido. Era como se o jornal estivesse uma carta na manga e realmente tinha. Na próxima edição do bissemanal aconteceu na quarta-feira do dia 29 de setembro de 2010, o Jornal trouxe novamente o caso como manchete principal e nas suas duas páginas policiais as fotografias revelando à sociedade, a primeira cena e a segunda cena. A publicação gerou inúmeros protestos por parte da sociedade e parentes da vítima e a Polícia Civil teve que tomar suas novas atitudes.

Por ocasião que o delegado Marcus Vinicius de Almeida Costa requisitou as fotografias ao Jornal e as encaminhou à perícia e o Departamento de Polícia Técnica legitimou a originalidade das fotos. Na época o laudo de criminalística sob a presidência do perito criminal Manuel Gómez Garrido constatou que a cena do crime havia sido alterada. E o delegado presidente do caso, concluiu que policiais militares fardados e à paisana teriam mexido na cena do crime antes da Polícia Técnica chegar ao local, revirando o cadáver e plantando uma arma ao lado do corpo para simular que a vítima estivesse trocado tiros com os policiais.

O delegado Marcus Vinicius por ocasião da conclusão do inquérito e remissão da peça à justiça em 31 de março de 2011, disse que as “fotos” tiveram uma importância muito grande no procedimento, quase decisivas durante o curso da investigação, uma vez que sem as fotografias seria quase impossível provar que a arma surgiu depois da ocorrência do assassinato.

O indiciamento


Os três PMs foram indiciados por crime de homicídio qualificado em conformidade ao Artigo 121, Parágrafo II, Inciso IV, e também por crime de lesões corporais conforme o Artigo 129, do Código Penal Brasileiro, tendo em vista que um dos disparos atingiu a mão do mecânico Joabe Medina Lima, que também estava deitado ao chão, depois de ter sido rendido pelos policiais.

Na época também a autoridade policial eliminou a hipótese de se realizar uma reconstituição do assassinato, uma vez que não restava dúvida nenhuma sobre o crime, e para ele, a reconstituição só serviria para causar tumulto, e não modificaria em nada o que foi apurado. Embora indiciados pela autoria da morte do empresário, o delegado da Polícia Judiciária concluiu o inquérito sem se pronunciar pelo pedido de prisão dos acusados, deixando a missão para o Ministério Público Estadual decidir no ato da denúncia ministerial.

Os dois momentos na cena do crime


O inquérito concluiu que houve dois momentos na cena do crime, sendo o primeiro quando os três policiais executaram Gilberto Arueira, depois de lhe render e ordená-lo que deitasse ao chão. O segundo momento foi quando modificaram a cena do crime, com objetivo de provar que Gilberto Arueira era um bandido, contudo, desse último momento os três policiais não participaram. Na época do indiciamento, um militar apenas foi indiciado, mesmo havendo a suspeita da participação de mais policiais na modificação da cena do crime.

Este quarto policial do serviço reservado do então 13º Batalhão da Policia Militar que chegou a ser indiciado pela Polícia Civil ao ser acusado de ter “plantado” a arma na cena do evento delitivo e foi indiciado por modificar a cena do crime, obteve êxito a seu favor na fase ministerial, quando por falta de prova material os promotores Gilberto Ribeiro de Campos e Graziella Junqueira Pereira inocentaram o militar e mantiveram apenas os três primeiros no rol dos denunciados.

A 1ª prisão dos acusados


Na sexta-feira do dia 22 de janeiro de 2016, após 4 anos e 4 meses do crime, o juiz Humberto José Marçal, titular da 1ª Vara do Sistema dos Juizados Especiais e então 1º substituto da Única Vara Criminal da Comarca de Teixeira de Freitas, pronunciou em desfavor dos acusados e decretou a prisão preventiva dos três policiais militares acusados pela autoria da morte do empresário Gilberto Arueira Azevedo.

Tão logo souberam da decretação de suas prisões por meio do advogado de defesa, os três policiais se apresentaram espontaneamente ao major Ronivaldo Pontes da Silva, comandante da CAEMA – Companhia de Ações Especiais da Mata Atlântica de Posto da Mata, no município de Nova Viçosa, unidade individualizada pertencente à CIPE – Companhia Independente de Policiamento Especializado do Estado da Bahia.

Quatro dias após a decretação, os advogados de defesa recorreram da pronúncia do juiz. E treze dias depois da prisão, na quinta-feira de carnaval do dia 4 de fevereiro de 2016, o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia determinou a imediata soltura dos três policiais militares Santo Aparecido Andrade Moreira, Aurélio Sampaio da Costa e Wanderson Ferreira da Silva, acusados pela autoria da morte do empresário Gilberto Arueira Azevedo.

A liberdade e o estado emocional dos acusados


Atendendo a um pedido de provimento liminar por Habeas Corpus, impetrado pelo advogado criminal Bruno Teixeira Bahia, o desembargador de justiça João Bosco de Oliveira Seixas, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia, concedeu a liminar pleiteada por meio do Habeas Corpus nº 0001652-81.2016.8.05.0000, relaxando a prisão preventiva dos acusados para que eles respondessem o crime em liberdade sem prejuízo ao gozo dos seus serviços até o julgamento.

O Tribunal de Justiça do Estado da Bahia levou em conta para conceder o benefício da liberdade aos denunciados até o julgamento: o histórico dos militares que nunca antes e nem depois se envolveram em atos delitivos, que possuem endereços certos, emprego estável no Estado, que sempre foram obedientes aos chamados da Polícia Judiciária e do Poder Judiciário no esclarecimento do caso. E também considerou uma opção política questionável dentro da ciência penal mediante o estado emocional que se encontravam os militares no dia do crime sob a contaminação do grau de fúria, ao agirem por impulso, tendo cometido o crime sob influência de violenta emoção em contágio à agressão sofrida minutos antes por um dos seus integrantes, interpretando o evento delitivo sob o enquadramento da chamada ”excludente de ilicitude”. 

Photo Jornalismo / Por Athylla Borborema

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.