Header Ads

Kannário pede vaia para PM e acusa de abuso de poder: 'Agressores'

PM divulga nota de repúdio após declarações e pedido de vaia de Igor Kannário

 
Parlamentar disse que se algo acontecer com ele, "quem mandou me matar foi alguém da PM"(Inácio Teixeira/Secom)

O cantor e deputado Igor Kannário pediu uma vaia para a Polícia Militar da Bahia na tarde desta segunda-feira (24), quando puxava sua pipoca no Campo Grande. De cima do trio, ele viu a PM passando com agressividade para desfazer uma rodinha em meio aos foliões.

"Peço à imprensa, filma isso aí. Isso é abuso de poder, aubuso de autoridade. Quero uma vaia para a Polícia Militar da Bahia", afirmou, sendo atendido. Os foliões vaiaram e depois gritaram "Uh, é o Kannário".
"Agressores, agressores! Venha me bater aqui em cima. Quero ver!", provocou.

Depois, ele retomou a música Embrazando, mas um pouco à frente Kannário falou que a PM pode fazer algo contra ele. "Se acontecer alguma coisa comigo, quem mandou me matar foi alguém da Polícia Militar", acrescentou.

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) não quis comentar as declarações do parlamentar. Mais tarde, a Polícia Militar divulgou uma nota de repúdio (leia completa). "Além da atitude irresponsável e criminosa o também deputado federal incitou os foliões contra os policiais militares que faziam o policiamento do circuito Osmar. É inaceitável que qualquer pessoa, ainda mais um parlamentar, tente comprometer a honra da instituição e de policiais militares que estão comprometidos e empenhados na defesa da sociedade baiana. Todas as medidas judiciais cabíveis que o caso requer serão adotadas", diz a nota.

Ainda no desfile, Kannário pediu para a imprensa filmar cenas e também para os foliões "abrirem" para a PM passar. "Abre aí para esses bunda-mole passarem". Também pediu que o público ajudasse uma gestante que passava mal a conseguir passagem.

Ao passar pela frente do Castro Alves, Kannario voltou a falar da ação da Polícia Militar. Ao ver mais uma ação da polícia partindo para cima dos foliões, pediu para baixar a música e disse: "Alô imprensa da Bahia! Tem que mostrar esse abuso de poder, esse desrespeito com cidadãos que pagam seus impostos e ajudam e pagar salário deles (policias)".

"Depois dizem que Kannario procura confusão com a polícia. Não é isso não. É certo pelo certo. Quem tá errado tá errado", disse.

Metros à frente, voltou a comentar: "Essa guarnição aqui tem educação. Parabéns! Tá fazendo o certo. Pedindo licença. Quem eu vir agredindo eu vou falar daqui de cima mesmo".

Mais cedo, a pipoca do cantor teve que ser interrompida. Ao todo, o trio ficou cerca de 20 minutos parado, retomando às 16h25. "A gente vai esperar o Mudança do Garcia adiantar o lado. O que eu quero é cantar mas não tem como cantar parado", afirmou.

Quando voltou a tocar, Kannario perguntou: "podemos 'embrazar' agora?". E puxou Embrazando. Mas na hora de fazer a curva e entrar na avenida do Castro Alves, a pipoca teve que parar de novo.

"A gente só vai entrar na avenida quando for a nossa hora. Só vamos entrar quando o Mudança sair. Vamos respeitar o Mudança do Garcia", disse Kannario

Polêmica
No ano passado, Kannário esteve envolvido em outra polêmica. Ele usou roupa com alusão ao "Comando da Paz", mas negou qualquer ligação com a facção.

No início do desfile, Kannário parou de cantar várias vezes para pedir respeito aos ambulantes e dar "broncas" em policiais e guardas.

"Não agride o cara, não. O cara fez algo de errado, prende o cara, leva o cara. Segura a onda aí, meu velho. Não agride a população não que eu tô vendo tudo daqui", afirmou.

O cantor também celebrou a gravidez da mulher. "O Kannário vai ser pai de novo e é menino", gritou para a multidão. O público, do chão, gritou repetidas vezes o nome do cantor. "Uh, é o Kannário, é o Kannário".

Ameaça de processo

Ao desfilar vestido de "PM do futuro", Igor Kannário disse que fazia uma homenagem à polícia. Só que o emblema com "Comando da Paz" estampado no ombro e nas costas pegou mal entre a categoria e virou alvo de mais uma polêmica envolvendo o cantor e a polícia.

A Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra) disse na época que ia processar Kannário por fazer apologia ao crime, ao promover uma facção criminosa, a Comando da Paz. Já o deputado estadual Capitão Alden (PSL) informou que entrará com uma representação no Ministério Público e encaminhará à Câmara dos Deputados uma denúncia para que o Conselho de Ética julgue a sua conduta "desafiadora da moral e dos bons costumes".

De acordo com o presidente da Aspra, o soldado Prisco, a entidade vai entrar com uma ação idenizatória e outra criminal.

"O Comando da Paz é uma facção criminosa, usar esse emblema é fazer apologia ao crime. Também vamos processá-lo por incitar a multidão contra os policiais durante o desfile. Policiais que acompanharam o desfile nos procuraram para relatar", informou Prisco. "Já temos duas ações contra ele, uma delas foi na micareta de Feira de Santana, envolvendo uma policial", comentou Prisco.

Já o deputado federal capitão Alden disse que é lamentável essa situação e "uma vergonha para o povo baiano ter um representante deste nível em Brasília".

"Não é a primeira vez que ele aparece em vídeos fazendo referências a determinadas facções criminosas. Ele alega que ladrão não rouba ladrão e faz questão de ostentar tatuagem fazendo referência a uma droga de uso proibido", critica o parlamentar.

Procurados, tanto a Polícia Militar (PM) quanto a Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP) preferiram não se posicionar sobre o assunto.

Um policial, que não se identificou, comentou que o Comando da Polícia ficou irritado com a atitude desrespeitosa do cantor e que os policiais se recusaram a manter a segurança reforçada no entorno do trio do artista no final do circuito.

Outro polical que também criticou a postura do cantor. "Respeite a minha instituição. Esse aí representa o que não presta dos becos e vielas da favela, não o cidadão de bem que acorda cedo pra trabalhar", criticou o PM.

(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)


Comando da Paz
No ombro e nas costas, o cantor trazia um emblema escrito Comando da Paz, porque, segundo ele, seu trabalho é fazer a massa curtir "no respeito e no limite", como diz o refrão da sua música Disse Me Disse. Refrão que, aliás, ele nem precisava cantar - deixava para o público, em meio aos policiais. O nome Comando da Paz também intitula uma das mais poderosas facções criminosas de Salvador, mas a produção do cantor negou qualquer relação com o grupo.
 
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

"Tirem suas próprias conclusões da pipoca do Kannário. Vejam se tenho cara de bandido, de traficante, de ter relações com o crime organizado. Só peço paz, respeito e limite pra todo mundo", disse o cantor no trio. "Por isso que hoje estou vestido de Comandante da Paz. Tenho que dar exemplo pra comandar uma massa dessas aqui", completou Kannário em frente a um dos camarotes, segundo ele, "cheio de brancos".

Quando um cordão da Polícia Militar passou entre seus foliões, Kannário até pediu para parar a música: "Vamos parar e aplaudir o trabalho da nossa PM. Vim vestido de PM do futuro para homenagear esses guerreiros, porque eles também querem paz. Vamos aplaudir porque eles estão trabalhando".

O cantor pediu para parar a música várias vezes para que a PM fosse aplaudida. E pediu para que a imprensa filmasse. "Pra mostrar o bom trabalho que a PM está fazendo. Eu vi tanta reunião de planejamento e eu só me perguntando 'por que na pipoca do Kannário nada funciona?'. Mas tá aí, um bom trabalho da nossa PM".

Mas o cantor, agora deputado federal pelo PHS, também alfinetou os maus policiais, segundo ele. Mostrando um cacetete da fantasia, bradou: "Sabe como eles chamam isso daqui? De 'spray de pimenta'. Será que eles teriam coragem de usar isso daqui no filho deles? É desacato se eu perguntar isso?".

PHOTO JORNALISMO /  Fonte: Correio24h

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.